Decisão permite defesa sem garantia de R$ 20 milhões

A WTorre obteve uma tutela antecipada (espécie de liminar) para deixar de apresentar em uma execução fiscal uma garantia no valor aproximado de R$ 20 milhões, referente à cobrança do Imposto sobre Transmissão de Bens Imóveis (ITBI). O Fisco entende que a empresa teria deixado de recolher o tributo na aquisição do prédio da Daslu, em 2006. A decisão é da 10ª Vara da Fazenda Pública de São Paulo e ainda cabe recurso.

03 Jul 2014 0 comment
(0 votos)
 
A WTorre e a Fazenda já discutiram o assunto no Conselho Municipal de Tributos (CMT) de São Paulo. Em julho de 2013, o conselho manteve a autuação fiscal de cerca de R$ 20 milhões, que inclui multa, juros e correção monetária. Na operação, a construtora optou por incorporar a dona do prédio, a Ergi Empreendimentos e, segundo a fiscalização, isso seria uma forma de evitar o pagamento do ITBI.

Após a decisão da esfera administrativa, a empresa levou o caso à Justiça e entrou com uma ação anulatória, com pedido de tutela antecipada, para suspender a exigência de depósito do valor cobrado ou de algum bem em penhora para garantir o pagamento. A liminar foi concedida pelo juiz Luiz Gustavo Esteves.

Em seu pedido, a WTorre alegou que o auto de infração seria nulo por falta de fundamentação e que não praticou ato que impusesse o pagamento do imposto. Argumentou também que não haveria provas da ocorrência de fraude ou simulação, e que sua conduta havia se pautado pelo propósito negocial.

Em sua decisão, o magistrado considerou que há deficiência na descrição da conduta no auto de infração. “No meu sentir, o auto não descreveu, de forma mínima a garantir o contraditório e a ampla defesa da requerida [WTorre], em qual inciso (do artigo 19 da Lei Municipal nº 14.133, de 2006) a conduta restaria tipificada (falta de propósito negocial, abuso de forma, ou ambos). Tal elemento é essencial, pois, pelo auto de infração, está se desconsiderando um negócio jurídico anterior”.

O juiz avaliou ainda que, no caso, o “perigo na demora” é patente, pois sem a suspensão do crédito tributário, a empresa ficaria sujeita à inscrição em dívida ativa e à execução fiscal.

Para o advogado Alexandre Tadeu Navarro, do Navarro Advogados, que representa a construtora no processo, o auto lavrado não explicava o motivo para ter desconsiderado a venda societária e tratar a operação como venda imobiliária. “E o juiz já entendeu esse argumento como muito forte”, afirma.

Abel Amaro, sócio do Veirano Advogados, argumenta que é lícito que o proprietário de um imóvel, em vez de vendê-lo, venda a empresa que o possui. Para ele, cabe ao Fisco provar que a operação foi uma simulação. Para Eduardo Borges, sócio do Vella, Pugliese, Buosi, Guidone, a liminar indica como o magistrado analisará o mérito da questão. “Normalmente, quando o juiz vai analisar uma liminar, ainda que não tenha visto detalhes, faz uma avaliação. Ela pode mudar, mas normalmente é confirmada”, diz.

Já Marcos Martinelli, do Rocha e Barcellos Advogados, pondera que o juiz não discutiu ainda se a cobrança é cabível. Apenas entendeu que o fiscal não explicou bem porque aplicou a autuação.

Procurado, o município informou apenas que não havia sido notificado da decisão.

Fonte: Valor Econômico - Por Beatriz Olivon


COMENTÁRIO DE OMAR AUGUSTO LEITE MELO: planejamento tributário ou sonegação fiscal? A Súmula 329 do STF prescreve que o ITBI “não incide sobre transferência de ações de sociedade imobiliária”.

 

Última modificação em Quarta, 15 Março 2017 03:28

Deixe um comentário

TributoMunicipal.com.br Consultoria - Cursos - Editora - Revista Eletrônica

Twitter

CURSOS ONLINE E PRESENCIAIS AGENDADOS - PRIMEIRO SEMESTRE 2017 https://t.co/FwHbobOmt4
PÓS-GRADUAÇÃO A DISTÂNCIA EM DIREITO TRIBUTÁRIO MUNICIPAL https://t.co/DZQgwzWl27
CÂMARA DE SP APROVA PROJETO QUE CRIA MULTA PARA QUEM SONEGA ISS https://t.co/9SRR297WFc
VIII Simpósio de Direito Tributário Municipal, em 2017 nos dias 29 e 30 de junho, na cidade de Campinas/SP. https://t.co/VgMDqDWtBS

Conecte-se à Tributo Municipal

Receba novidades gratuitamente!

  • Notícias recentes
  • Artigos e Jurisprudências
  • Alertas de cursos e Treinamentos